Anúncios
Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Òsá mèjì

Òsá méjì

 

Orí buruku ki i wu tuulu.

A ki i da ese asiweree mo loju-ona.

A ki i m’ orí oloye lawujo.

A dia fun Mobowu ti i se obinrin Ògún.

Orí ti o joba lola, enikan o mo ki toko-taya o mo pe’raa won ni were mo.

Orí ti o joba lola, enikan o mo.

 

Uma pessoa de mau Orí não nasce com a cabeça diferente das outras.

(Não devemos julgar pelas aparências).

Ninguém consegue distinguir os passos do louco na rua.

(Um destino ruim não é identificado pelo olhar)

Uma pessoa que é líder não é diferente e também é difícil de ser reconhecida.

(Nascemos predestinados a liderança, Ọrúnmìlá forma seus líderes)

É o que foi dito à Mobowu, esposa de Ògún, que foi consultar Ifá.

(Ela precisava conhecer seu destino)

Tanto esposo quanto esposa não deviam se maltratar tanto, nem física e nem espiritualmente.

(A luta pela liderança não deve ser agressiva, um líder é notado, ele não se faz notar).

O motivo é que o Orí vai ser coroado e ninguém sabe como será o futuro da pessoa.

(Não devemos menosprezar ninguém. Como será o seu futuro amanhã?).

 

Um abraço a todos e que luz de Obàtálá esteja sempre em seus caminhos e que meu òrìsà os ajude a caçar.

Foi um ótimo convívio, quem sabe um dia poderemos nos falar ou mesmo nos conhecer.

O dàbo

Da ilha

 

Anúncios

Read Full Post »

 

Para aqueles que ainda pensam que dançamos (Sirè) no salão como pura vaidade e brilho.

Para aqueles que ainda pensam que somos uma religião de pobres coitados descendentes de uma turma vista sem eira e nem beira.

Para aqueles que pensam que nossa religião faz pacto com demônios e afins.

Para aqueles que estão dentro da religião e ainda não acordaram, recomendo a leitura e analise deste texto, com várias mensagens nas entrelinhas e muitas metáforas.

Aqui está o nosso desenho, a nossa Fé, a nossa Crença e a nossa Disciplina.

Se você acha que eu sou careta demais para o ‘seu gosto’, desculpe!

Mas, eu sou careta e não sou para o ‘seu gosto’.

Isto é Ișẹșẹ (Tradição).

A Tradição de nossos ritos, de nossa forma de louvar, curvar, deitar, ajoelhar, rezar, comer, confraternizar, cantar e interagir com o Universo, sem oceano a nos separar ou quem sabe para nos ligar.

No último dia 20 de agosto comemoramos o dia de Ișẹșẹ L’Àgbà, A Tradição mais antiga.

O texto abaixo eu recebi de uma pessoa que nunca vi em minha vida, que nunca trocou uma palavra comigo, porém, creio eu, que o trabalho que fazemos acabou despertando algo neste Bàbáláwo nigeriano que o inspirou a me enviar esta mensagem e eu retribuo dividindo ela com vocês.

Falemos um linha sobre Ifáyàbàlè, da elisão: Ifá Ìyà Bàbá ilè.

Que significa:

A Sabedoria dos Pais e Mães da Terra. 

Isto está dentro do rito de reafirmação da crença., isto nada mais é do que vigiar, então…

Acho que foi a intenção desta mensagem Ifá diz que devemos nos vigiar constantemente, pois, somente assim não incorreremos novamente em erros e nem vamos relaxar.

Vigiar, vigiar e vigiar.

Sobre a atividade fim de nossa Religião:

Alguém já se questionou ou se perguntou sobre este assunto?

Quem poderia responder?

Uma boa leitura

Da Ilha.

 

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

 

Fé, crença, autocontrole e autodisciplina são a base sobre a qual uma vitória concreta, sucesso, realização, boa saúde, longa vida e felicidade estão baseados.

Antes de esperar grandes coisas de si mesmo ou de sua vida, você deve levar em consideração certas coisas desconhecidas ou não, vibrações visíveis ou outros fatores e para ter todos estes visíveis, precisaremos de disciplina espiritual, extrema fé, crença, autocontrole e autodisciplina.

Ninguém ganha coisa alguma do Pai da luz, sem devoção pessoal ou disciplina espiritual, a renúncia ao prazer corporal, abster-se de álcool, tabagismo, fofoca, preocupação, ciúmes e outra vibração negativa que prive sua alma de alcançar a glória e a vitória.

Fé traz o melhor para você e fé em si mesmo e a fé no Deus infinito e suas numerosas divindades nos levam ao sucesso absoluto, progresso e vitória, que se estendem de geração a geração.

Podemos desenvolver nossas capacidades e energia através da disciplina para solidificar a fé e neutralizar o nosso medo, preocupação e decepção para alcançar o sucesso.

Medo deprime, preocupação destrói, ansiedade mata, você sabe que a fé cria energia abundante e vibração que transforma todas as coisas a nosso favor. Não devemos permitir que o medo perturbe a nossa vida, quando sabemos que os fundamentos de todas as coisas emanam da fé. A Fé provoca e esperamos o melhor, o medo é pessimista e a fé é crescente em direção à luz e a morada de Deus.

A fé é otimista.

Medo anuncia fracasso, enquanto a fé é sinônimo de sucesso, progresso, vitória e riqueza. Não pode haverá cortejamento por parte do medo, das situações de penúria, quando a mente estiver saturada com a fé e a disciplina pura. A preocupação não pode existir onde há fé e disciplina, devemos acreditar em Olódùmarè, a infinita misericórdia.

Lembre-se que uma poderosa fé prolonga a vida, porque a fé eleva e garante o perfeito funcionamento do mecanismo do corpo. A fé vê além do conjunto temporário a sua volta e põem em marcha todas as vibrações positivas que trazem todas as coisas boas a sua vida e a sua porta. Seja fiel e disciplinado, eu acredito que você verá a glória de Deus.

Medo e preocupação podem deixar o funcionamento do seu corpo perturbado, afetando o perfeito funcionamento do fluxo divino de energia.

Fora da fé você faz seus sacrifícios, a fé que você tem em seus rituais e a crença completa farão você se iniciar para o seu òrìşà e outras divindades, para levantá-lo da floresta do cavaleiro punitivo, o castigador celestial.

Não importa o que você está passando agora ou que tipo de problemas estão surgindo, você luta contra estas forças contrárias ao lado de Olódùmarè através da sua fé e Ele enviará as suas divindades preponderando a oferta de possível solução para o problema. A fé é a solução para os desafios invisíveis e visíveis da vida.

Disciplina, fé/crença, autocontrole, oração e outras atividades espirituais são os maiores operadores de milagres e mudanças na vida de muitas pessoas e ainda realiza maravilhas na vida da maioria em todo o universo.

Por que você tem que esperar para cultivar o saudável hábito da oração, da disciplina e da fé completa.

Dedique tempo aos esforços, desenvolva o espírito de oração, faça sacrifícios e seja disciplinado, busque a sabedoria de Odù, faça suas iniciações, no momento certo, você verá a bênção de Deus e de seus inúmeros Irúnmòle fluindo através de você para seus vizinhos, sua família e seu trabalho, como a água da chuva que cai do céu para o solo.

As pessoas que possuem fé abundante olham para Deus como solução para situações mais agudas eles tem a forte crença de que o poder infinito, mais forte do que eles, irá dirigir seus passos e guiar suas vidas.

Quando o mal vem a eles e a catástrofe os enfrenta, a disciplina, a fé e a crença, fazem eles olharem além do infortúnio e ver o sol atrás das nuvens, ver a vitória e nenhuma derrota.

Não importa o que possa acontecer, eles sabem, e com certeza, que Deus em Sua infinita divindade lhes dará a vitória

Lembre-se que a preocupação deve ser substituída pela fé, a derrota pela crença, a ociosidade pela oração.

Iniciações e disciplina de modo a cumprir o destino divino. Nunca se esqueça de fazer a sua parte, trabalhar duro, trabalhar com sabedoria, trabalhar com disciplina e estar comprometido com o que é bom e grandioso, para permitir que o fluxo de energia positiva flua em sua vida.

Fé, disciplina, crença, sacrifício, rituais e suas iniciações, o tornarão mais jovem, vigoroso, otimista, esperançoso e irradiará vida na glória de Olódùmarè.

Para quem ainda não sabe, FÉ é ausência de duvida!

Seja bom e você será abençoado.

Seja disciplinado para terminar o que você está fazendo com a ajuda do Todo-Poderoso e Grande Olódùmarè.

 

 

Ire Aláàfià

 

Olayinka Babatúnde Adewuyi 

 

Tradução Odé Gbàfáomi.

 

Read Full Post »

Pergunte a Ifá

Aos amigos internautas, iniciados e abian  que ainda não tiveram acesso ao Corpus literário de Ifá, mostraremos um de seus versos contidos no Odù Èjì Ogbè (Èjì Onilè).

Estas mensagens cifradas e as parábolas são uma rotina neste tipo de literatura que há pouco tempo atrás tinha-se conhecimento apenas através da oralidade. Hoje temos acesso a vários livros, blog, site e trabalhos avulsos para podermos começar a entender este mundo, ainda novo para o ocidente, chamado filosofia de Ifá.

Este Corpus Literário contém 16 Odù chamados Olódù (Èjì Onilè, Òsá, Òbàrà, Òfún e etc.) e 240 Ọmọ Odù, cada um deles trás em seu Corpus Literário algo perto de 1648 versos/poemas/mensagens de Ifá (O porta voz, aquele que guarda os ensinamentos de Olódùmarè), o que temos abaixo é um exemplar destas mensagens. Os sacerdotes de Ifá devem ter estes versos de cor, o maior número possível, pois, estes versos se completam, somando-se a ele, o tabu do consulente, o etùtú, o osè dùdù e mensagem de Ifá para a mudança da sua vida.

Somente assim conquistaremos vitórias, somente obedecendo a orientação de Ifá conseguiremos chegar a um bom lugar.

 

Boa leitura.

Da Ilha 

Éjì Ogbè

 

Nós lançamos Ifá com nossa mão (Nós batemos Ikin).

Nós pressionamos Ifá no chão.

Elesa a gbo gi (nome do sacerdote)

Foi lançado Ifá para Ogbè (foi feito o jogo).

Quando ele vinha do Céu para a Terra.

Eles disseram que Ogbè iria entrar no mundo.

Ogbè foi aconselhado a realizar sacrifício (fazer ebo).

Ogbè consultou os itens para o sacrifício.

Ogbè deve sacrificar um rato para trilhar caminhos no mato.

Um peixe para traçar caminhos através do oceano.

Um galo para limpar os caminhos na Terra.

Eles disseram que Ogbè alcançaria o mundo.

Ogbè realizou o sacrifício.

Ogbè se aventurou.

Ele chegou à floresta.

Ogbé ficou perplexo.

Èsù sussurrou no ouvido dele.

Lembre-se você tem um rato para abrir caminho na floresta.

Ogbé usou o rato.

O rato desbravou um caminho pela floresta.

Èsù disse para Ogbè segui-lo.

Quando ele saiu da floresta.

Ogbè encontrou o oceano.

Ogbè ficou perplexo.

Èsù sussurrou no ouvido dele.

Lembre-se você tem um peixe para traçar um caminho através do oceano.

Ogbè deixou o peixe cair na água.

O peixe começou a nadar.

Èsù disse para Ogbè segui-lo.

Quando ele nadou para fora da água.

Ele encontrou a cidade.

Ele não sabia que direção tomar.

Èsù sussurrou no ouvido dele.

Lembre-se você tem um galo para encontrar um caminho na Terra.

Èsù disse para Ogbè seguir o galo.

Ogbè chegou ao centro da cidade.

Ele ficou feliz e começou a dançar e se alegrar.

Nós lançamos Ifá com nossas mãos.

Nós pressionamos Ifá no chão.

Elesa gbo gi (nome do sacerdote).

Foi ele quem lançou Ifá para Ogbè.

No dia que ele estava vindo do Céu a Terra.

O rato usa seu Orí para abrir caminhos na floresta.

O peixe usa seu Ori para abrir caminhos no oceano.

O galo usa seu Ori para abrir caminhos na Terra.

Ogbè, portanto, tornou-se popular (ele obteve sucesso).

A estrela de Ogbè não deve cair como as folhas das árvores.

Ogbè deve ascender um caminho através da dificuldade.

Sagrado Odú Éjì Ogbè.

 

De acordo com a filosofia e estilo de vida do òrìsà, a vida é uma viagem.

Àjò l’ayè, a viagem da vida, é marcada por muitos portais de iniciação. Cada portal exige uma separação do passado, em favor do que é e o que será. E tão misterioso quanto possa parecer, a viagem fundamental, bem como os portais da iniciação, são tão naturais quanto à própria vida. Desde o nascimento até a adolescência, passando pela idade adulta e além, todas as nossas experiências são ritos de passagens ao longo do caminho da vida.

 

Ainda assim, o caminho leva-nos através de alguns territórios perigosos, durante o qual as decisões importantes devem ser tomadas, esperamos não só sobreviver à viagem, mas também prosperar. No versículo acima, Ifá usa as metáforas da floresta, do oceano e da terra para exemplificar a gama de capacidade de adaptação e preparação necessárias para a navegação bem sucedida.

 

E a dificuldade de sucesso?

Quando você falha, você é forçado a se ajustar, buscar novas metodologias e fazer novas alianças. Mas quando você é bem sucedido, é tentador tentar aplicar novamente as mesmas práticas que uma vez funcionaram tão bem às novas circunstâncias. Infelizmente, isso raramente demonstra ser eficaz. Você tem que tentar todas as novas práticas, mas, ao mesmo tempo, manter um senso claro de verdade pessoal e identidade.

 

No verso de Éjì Ogbè acima, foi Èsù que repetidamente lembrou Éjì Ogbè dos itens de sacrifício que ele estava carregando e quando deveria fazer uso deles em diferentes fases da viagem.

E este é o segredo do sucesso a longo prazo:

Cada um de nós, sem exceção, tivemos alguém que acreditou em nós e nos deu a orientação adequada e que precisávamos para satisfazer a paisagem em constante mudança na jornada da vida.

 

Às vezes, apesar de nosso conhecimento, do nosso talento e experiência só precisamos de alguém para nos dizer o que fazer e quando devemos fazê-lo!

A nossa capacidade de reconhecer esses momentos e nos dar bons conselhos vai fazer a diferença entre ser chamativo e inesquecível, entre competência e excelência, entre ser competitivo e ser superior.

 

Como saber mais sobre como estabelecer uma relação com um conselheiro confiável que irá ajudá-lo a otimizar seus dons e talentos naturais?

Pergunte a Ifá.

 

Àse.

Read Full Post »

Eu gostaria de abrir este post, dizendo que as rezas não são propriedades de nenhum sacerdote, que somente “os mais velhos” podem conhecer e saber de cor. Isto é enganação, enrolação, embromação e falta de caráter de quem retém a informação. Conhecemos muito bem as rezas que não podem sair do ilè Ikú, todo iniciado tem o direito a conhecer, rezar e aumentar o seu portfólio de conhecimento.

Nosso saudoso e que tanto contribuiu com nosso culto Altair T’Ògún, entendeu este problema e publicou o livro de rezas mais completo que conhecemos: Elégun. Portanto iniciados, adeptos e abian, comecem a decorar suas rezas, vocês vão precisar.

Òrìsà gbe wa o.

As rezas são expressões dos desejos que nós queremos manifestar de forma séria e sincera. A reza então significa comunicar nosso desejo às divindades para que nos apoie e nos ajudem a assegurar que nossos desejos se concretizem.

Muitas pessoas não sabem como rezar para que se obtenha o efeito desejado. Algumas pessoas rezam mecanicamente e esperam resultados. Desafortunadamente, os resultados não serão positivos por um longo tempo. Na história do homem, o rezar é o entendimento de como se trabalhar uma reza que nós apreciamos e como fazer com que ela funcione para nós.

Ifá reconhece três tipos de rezas:

As rezas sócias religiosas

As rezas de precaução.

As rezas ocultas esotéricas

Reza sócio religiosa

 

Este tipo de reza é a mais comum entre as três. Geralmente é usada pelos líderes religiosos, os maiores ou aqueles que demostram apreço por alguém que lhes fez um favor ou necessitam de um.

Aqueles que estão buscando ajuda também utilizam este tipo de reza.

Estas rezas se dizem durante batizados, ocasiões importantes como: bodas, funeral, devoções matutinas e etc.

Quando alguém entra em uma casa, que acaba de comprar ou construir, as pessoas vêm e compartilham da alegria pelo esforço da pessoa feliz. O sacerdote encarregado rezará para que as divindades dêem a mesma sorte a todos os presentes. Quando alguém da à luz a um filho, durante o batismo de um bebe, o sacerdote rezará para que as divindades estendam a mesma sorte a todos os presentes. Quando um casal se casa, o sacerdote oficiante rezará aos deuses para que estenda essa felicidade para todos os presentes. Quando um jovem morre o sacerdote reza aos deuses para que ponha um fim à morte prematura. Todos os presentes devem dizer àse, pois estaram se resguardando dos equívocos desta reza. Todos nós sabemos que todos não podem ter a mesma sorte, todos nós sabemos que nem todas as pessoas poderão ter uma casa, nem todos poderão ter filhos, nem todos poderão se casar formalmente e nem todos viveram até a velhice. Também quando as pessoas buscam ajuda de alguém, a pessoa que necessita de ajuda deverá rezar aos deuses para que abençoe a pessoa que está buscando ajudá-la. Quando o benfeitor é capaz de cumprir as expectativas da pessoa que buscou ajuda, se fará outra onda de rezas pelos bons gestos do benfeitor.  Quem está buscando ajuda pede aos deuses que abençoe seu benfeitor e que os faça maiores do que nunca.

Isto é muito comum entre os que pedem e os que levam vidas relacionadas com a medicina. Essas rezas podem fazer com que as coisas passem ou não (benção). Sem exagerar, porém a pessoa que reza e a que recebe a benção são felizes.

Em outras ocasiões, a pessoa faz algo grande ou oportuno para a sociedade ou para algum mais velho da sociedade. Os que recebem essas bênçãos devem aprecia-la e comover-se para rezar por esta pessoa por algo que foi feito por eles para que receba as bênçãos e a bondade das divindades.

Todos os envolvidos devem dizer àse para que as orações se tornem realidade.

Aqueles que não são capazes de pagar em dinheiro o favor que lhe prestaram, ou aqueles que não aceitam qualquer tipo de recompensa também são eficazes, normalmente são pagos com cerimonias sócio-políticas, com honrarias, medalhas, certificados e etc.

Os heróis, os líderes de comunidade, aqueles que foram trazidos para frente da sociedade, os jovens que se destacam por seus serviços a sociedade, podem receber serviços de reza especial em apreço às boas ações em prol da sociedade.

De qualquer maneira, em vez deste encurtamento, as rezas sócias religiosas têm um efeito muito profundo nos que as recebem. Estas rezas não são à base de nenhuma força ou energia que engrandeça a manifestação destas rezas.

Como uma nota pratica, ainda assim, neste tipo de reza, aqueles que devem ter êxito, definitivamente terão êxito e aqueles que devem fracassar definitivamente fracassaram.

 

Rezas para precaução:

 

Este é o tipo de reza que as pessoas oferecem regularmente e ao mesmo tempo reforçam com medidas práticas para assegurar sua manifestação. Isto requer, mas do que meras súplicas às divindades reivindicando sua ajuda.

Uma pessoa que pede por sucesso deve trabalhar duro para conseguir o êxito, uma pessoa que pede para ter filhos deve se casar, copular, encontrar remédios para as enfermidades ginecológicas, se houver alguma e esperar pelo melhor, uma pessoa que pede para ter vida longa, deve ter cuidados com seu corpo, de sua saúde, comer bem e ter uma dieta bem balanceada e rezar pelo melhor e etc. Estas são as chaves para o êxito que se espera que os praticantes de Ifà sigam.

É Òsé Méjì que estabelece que aqueles que planejam ter êxito devem ser trabalhadores e dedicados.

 

Neste Odù, Ifá diz:

 

Sekúbe, o Bàbáláwo de Ìbàdàn (cidade nigeriana).

Este foi o Bàbáláwo que consultou Ifá para os filhos de Ìbàdàn.

Quando choravam lamentando-se por sua inabilidade em conseguir êxito financeiro.

Eles foram aconselhados a oferecer ebo

Eles aceitaram.

Depois de algum tempo, logo depois,

O sucesso e a riqueza tinham chegado.

Viajantes de Ìpo e Ọfà (cidades míticas da história yorùbá)

Vocês não podem ver que sem trabalhar duro, ninguém conseguirá êxito?

 

Então qualquer oração para o sucesso financeiro deve, como meio para alcançá-la, ser apoiada pelo trabalho duro e dedicação ao dever. Caso contrário, a oração vai ser uma mera oração sócia religiosa, que não será apoiada por nenhuma divindade.

No Odù Òtúrúpon-Ngbònwú (Òtúrúpon-Òfún), Ifá diz que para viver muito se deve aprender a pisar precavidamente e com extremo cuidado.

Neste Odù, Ifá diz:

 

Bom para você oferecer sacrifício, o Bàbáláwo de Ègbá (uma tribo)

Bem feito por realizar rituais, o Bàbáláwo de Ìjèsà (povo de Ìlẹşà)

Parte do algodão é adicionada como medida adicional a que foi trazida

Òtúrú carrega o algodão sem girá-lo.

Estas foram às declarações de Ifá aos seis anciãos.

Quando estavam indo a Ilé Ifè (capital espiritual nigeriana)

Para pedir por sua longevidade.

Eles foram aconselhados a oferecer sacrifício.

Eles aceitaram

A vida longa não tem encanto

A docilidade é o encanto da vida longa

Se você vê uma vala

Não planeje brincar

A vida longa não tem encanto

A docilidade é o encanto da vida longa

Se você vê uma casa se incendiando

Não entre nela

A vida longa não tem encanto

A docilidade é o encanto da vida longa

Se você vê um homem louco com um facão

Não o espere (ou tente ser um herói)

A vida longa não tem encanto

A docilidade é o encanto da vida longa

Se você come com satisfação

Não busque ter azia

A vida longa não tem encanto

A docilidade é o encanto da vida longa

Em tempos de tribulações

Não cometa suicídio

A vida longa não tem encanto

A docilidade é o encanto da vida longa

 

Aqueles que desejam viver muito devem oferecer muito mais que uma grande oração às divindades. Eles devem se assegurar de não fazer nada que possa causar a morte imediata. Também devem evitar o que pode encurtar suas vidas.

 

Rezas ocultas esotéricas

 

É o tipo de reza que é realizada por forças e energias físicas e metafisicas. Este é o tipo de oração que contém todos os segredos da vida. Quanto mais se sabe essas orações e as domina, mais você se torna maior.

Verificou-se que se alguém entende este trabalho ou seus mecanismos que qualquer parte da natureza, alguém pode utilizar este conhecimento para realizar maravilhas para alguém ou para si mesmo ou para a sociedade em que se desenvolve.

Neste tipo de reza se utilizam métodos para atrair o poder dos objetos ao nosso redor, animados ou inanimados.

As pessoas usam plantas, ramos, troncos, folhas animais e/ou partes dos animais, insetos, ratos ou partes do rato, peixe, água, azeite e etc., para energizar suas orações para que se manifestem da maneira que elas querem, as pessoas também utilizam o nome das divindades, deuses, semideuses, espíritos, ancestrais, vento, sol, lua, meteoros e etc., e o poder da palavra falada para energizar as orações.

Estas rezas requer um grande poder de observação, conhecimento esotérico e habilidade para abster-se de todos os tabus para entender o propósito porque Olódùmarè criou todas as coisas da natureza e como elas trabalham e afetam todas as outras coisas individual e coletivamente antes que estes recursos abundantes de poder possam ser devidamente identificados e usados.

Não existe um limite para o poder que uma pessoa possa possuir, tudo depende da capacidade da pessoa adquirir conhecimento que é a chave para abrir a porta para este poder.

Aproximar os mecanismos de trabalho da natureza ou parte desta faz toda a diferença entre rezar e esperar limitadamente os resultados.

De forma alguma as explicações exaustivas de como fazer farão elas funcionarem em nós. Todos os livros de texto de rezas não podem fazer justiça a isto. Estes exemplos se dão para abrir os olhos dos que trabalham com rezas, enquanto o leitor é livre para implementá-las em sua vida.

 

O Odù Òfún mèjì (Epá Odù) orienta a humanidade a rezar com fervor, com afinco, com fé, sem dúvidas. Para que o objetivo seja alcançado, para que a reza seja o motor do sacrifício.

Não adianta nada, tomar banho, fazer jejum, dormir na esteira, colocar roupa limpa, fio de contas maravilhosos, trabalhar na casa de àse, dançar para a divindade, oferecer sacrifício, se a fé não estiver presente.

Pode-se obter o resultado pela invocação e atuação da energia, porém, o resultado é efêmero, pois, não há sustentação. Não há uma base, uma renovação no oxigênio da energia.

Pense nisso.

Nosso culto vai além de 99,9% das perguntas postadas aqui neste blog.

Nosso culto é filosófico, é o culto a entidade chamada Orí (VOCÊ), cultuamos e buscamos a divindade para que nos favoreçam, pois, assim foi determinado.

A divindade que neste mundo está a bilhões de anos não precisa de você para nada.

Ela continuará sendo esta força imensurável, incontrolável, inimaginável em seu poder, reforço a mensagem, ela não precisa de você e tampouco de mim.

Se você não busca-a, se você não acha a conexão entre você e ela, não haverá iniciação, sacerdote, pai de santo (odeio este termo), ogan, Èkèjì e outros mais que darão jeito nesta situação.

É você, somente você, que tem interesse neste assunto e é sua responsabilidade manter esta chama acesa. Não coloque culpa nas pessoas, no sacerdote ou quem quer que seja. Faça uma análise de tudo que você vem fazendo, do seu comportamento, do seu caráter, da sua promiscuidade, mentiras, intrigas, fofocas, tabus rompidos, enganações e etc.

Seja sincero com você, pelo menos uma vez na vida, pois, você nunca engana um alguém (seja ele quem for, visível ou invisível), você com toda certeza engana a si mesmo.

E dentro de Àtúnwá (o ir e vir para este mundo dentro de nossa cosmogonia) perder a viagem é muito desgastante, inevitavelmente acumularemos karma para a próxima viagem ao Ayè (nosso mundo).

Existe uma grande diferença em ser crente e ser fanático.

Crente é quem crê e o fanático…, dispenso descrevê-lo.

Não ter vergonha de suas divindades quando em público, conhecer suas divindades e saber qual o papel delas no universo e no nosso mundo. Assumir sem qualquer vestígio de vergonha sua crença e sua filosofia espiritual de vida.

 

 

Texto: Ifá, A chave da compreensão.

Fásínà Fálàdé

Rezas: Patrimônio Mundial da Humanidade conforme decreto da Unesco.

 

Tradução e texto final: Odé Gbàfáomi.

http://www.orisaifa.blogspot.com

Read Full Post »

O amor que se acaba

Devido ao número de comentários de homens e mulheres que procuram através de alguns pseudo zeladores, que se dizem feiticeiros, milagreiros, fazem amarrações para o amor, prometem trazer a pessoa amada e tantas outras promessas que, evidentemente, serão previamente muito bem cobradas dentro da falsa “possibilidade” de ter seu amor de volta, que reproduziremos abaixo esse maravilhoso texto do inesquecível Jornalista, Poeta e Senador da República: Sr. Artur da Távola.

Por sabermos do apego, desamor, desgosto, desilusão, egoísmo, e, principalmente, a inaceitabilidade de entender a decisão do fim, dos caminhos que se separam, como numa bifurcação, cada um para um lado, pedimos aos senhores e senhoras que reflitam.

A dor do amor que se acaba*

 Todo casamento que “acaba” já se acabara muito antes. O amor é sentimento tão forte que até para admitir o seu término é necessário tempo. Quando algo estoura ou vem à tona é porque de há muito borbulhava, subterrâneo. Aceitar que o amor acabou é tão difícil como admitir sua existência!

Fico a pensar nos quilômetros de discussões com as quais milhares de casais disfarçam o amor que começa a terminar ou já morreu e começa a tresandar. Penso na dor sorrateira e covarde do amor que começa a acabar.

Penso no sentimento de perda que se instala até nas relações que se tornam frias e distantes. Sofro por pessoas que estão trilhando o doloroso caminho da descoberta dos impasses com o ser amado; a que estão descobrindo defeitos, desencontros, impossibilidades de encaixes e de suplementação nas relações. Penso nos que estão tentando gostar e já não mais conseguindo. Compadeço-me dos que colocam flores e esparadrapo na própria decepção ou no cansaço de suas relações rotinizadas, cristalizadas, congeladas.

A dor do amor que não se realizou gera doloroso sentimento de perda. A perda prescinde do amor. Até onde este não mais existe, ela dói e machuca. O sentimento de perda transcende o amor. Talvez seja maior, como sentimento, que o amor, pois o sentimento de perda dura a despeito de haver acabado. Sente-se a perda da pessoa a quem se amou e sente-se a perda do amor. A perda dói, porque construída de esperanças mortas, pois se é esperança, morta não está. O que se jaz morto em cada perda não é o amor anterior: é a esperança de felicidade e de encontro que não se realizou. Está morto, mas como é esperança ainda vive e o que vive dói. Por isso, o sentimento de perda é complexo e cheio de dobras ilógicas.

O que dói no amor que termina não é o fato de ter acabado. Nesse sentido é até alívio. Dói o fracasso do que poderia ter sido; é a contemplação da morte através da verificação da existência de uma pessoa em nós e no outro que já não existe, que mudou, transformou-se e cresceu ou apodreceu e piorou.

A gradativa aceitação da inexistência do amor é ferrugem existencial difícil de ser aceita. Por isso, o amor passado é dotado de muitas caras e para se proteger dessa ferrugem admite crescer em outras direções igualmente prazenteiras: a da amizade, carinho e compreensão.

 Artur da Távola

*Texto com adaptações

Read Full Post »

Preto-Velho

Durante o período da escravidão muitos milhares de crianças, mulheres e homens foram comprados em mercados de escravos africanos e trazidos para o Brasil. Aqui trabalharam duramente construindo a nova nação. Sofreram todo tipo de maus-tratos e humilhações quando ensaiavam qualquer forma de revolta contra a condição escrava, ou porque seus donos consideravam natural tratá-los assim. E, apesar de tudo, ainda tiveram forças para reconstruir sua cultura e sua religião na nova terra contra toda a oposição que encontraram. O tempo passou, a escravidão terminou e, pouco a pouco, as religiões de origem africana puderam crescer.

No início do século XX, nasceu a Umbanda e, nela, os espíritos dos antigos escravos começaram a se mostrar em toda a sua realidade de almas bem-aventuradas, espíritos cheios de luz. Temperando sua grande sabedoria com imensa bondade de seu coração os chamados Pretos-Velhos e Pretas-Velhas se aproximaram de nós, seus fiéis, para, através de seus conselhos, resolver as nossas dúvidas, iluminar os nossos caminhos e curar os nossos males.

Os Pretos-Velhos moram no reino de Aruanda, do outro lado do oceano, para onde retornaram em espírito, e toda a sua ancestralidade familiar. Quando escutam os cântigos nos terreiros, vêm de lá visitar seus “netos” que vivem no lado de cá. Estes espíritos de luz (eguns), ao se manifestarem entre nós, nos dão uma grande lição: o valor do indivíduo deve ser apreciado por seus atos, e não por sua aparência. Assim é que esses grandes guias não são reis e nem mestres, mas pais, tios, tias, vôvos e vovós.

Os Pretos-Velhos se vestem com simplicidade, usam branco e preto; relembram seus tempos antigos no gosto pelo cachimbo, bom café sem açúcar, o fumo mascado. Um rosário e uma bengala costumam ser seus acessórios preferidos. Como fazem parte das Almas bem aventuradas, sua saudação é: Adorei as Almas!

A festa do dos Pretos-Velhos é realizada no dia 13 de maio, data da assinatura da lei Áurea, que aboliu a escravidão no Brasil.

A linhados Pretos-Velhos também é chamada Linha das Almas, Iorimá ou linha Africana. Seu chefe supremo é São Cipriano. É constituída de grande grau de desenvolvimento, conhecedores de todos os segredos da magia, e que empregam seu saber na prática da caridade. São conselheiros, protetores e curadores. A linha é dividida em sete Legiões:

Legião do povo d Angola, chefiada poe pai José

Legião do povo de Bengala, chefiada por pai Benguela

Legião do povo da Costa chefiada por Pai cambinda

Legião do povo do Congo chefiada por Rei do Congo

Legião do povo de Guiné chefiada por Zum Guiné

Legião do ovo de Luanda chefiada por pai Francisco

Legião do povo de Moçambique chefiada por pai Jerônimo

O que mais me chamava a atenção nos Pretos-Velhos era a disponibilidade de nos atender, o carinho, atenção, a maletinha com fitinhas, terços, patuás, pemba, mandingas, peninhas, etc. Lembro de uma rezadeira que minha mãe me levou quando era pequeno e tinha cobrelo, aquela ferida que nunca fechava bem na barriga e outra no joelho, que vergonha que medava, era horrível aquela ferida, pois com 3 rezas fiquei curado, foi secando, secando e secou! Era uma Preta-velha do Congo, se não me engano, resmungava baixo, os olhos quase não abriam, e me sinto agradecido até hoje.

Bibliografia: Cantigas de Umbanda organização Eneida Gaspar.

Read Full Post »

%d bloggers like this: